quinta-feira, fevereiro 01, 2007

Afonso VII-Rei de Leão e Castela

• Após a morte de Urraca em Março de 1126, Afonso Raimundes é coroado rei de Leão e Castela, não esquecendo que a Galiza fazia parte integrante do reino de Leão.

• As pretensões de Teresa e Fernão Peres, voltaram a ser reivindicadas, o que motivou um encontro com Afonso VII em Zamora, em Abril de 1127, estabelecendo um “acordo de paz por tempo determinado”, segundo o descrito pelas crónicas de então. Aceitando, adiar a discussão dos seus direito, para mais tarde.

• Fique claro, que as pretensões de D.Teresa , não passavam apenas pelo governo do Condado Portucalense, mas sim por esse condado, que a seus olhos era parte integrante da Galiza,por conseguinte envolvendo nas suas pretensões, a própria Galiza.

• Nunca a meus olhos, ficou claro se a sua pretensão era autonómica, em relação ao reino de Leão ou governo em nome de Afonso VII.Provavelmente nem essa pretensão independentista, foi abertamente abordada, mas tudo leva a crer que tenha existido no seu espírito, devido à sua condição de filha de Afonso VI

• A referida paz a prazo de Zamora em 1127, também convinha a Afonso VII, empenhado em recuperar a sua autoridade sobre cidades castelhanas ainda nas mãos dos Aragoneses.

• Uma vez alcançada a paz com o rei de Aragão, menos de 5 meses depois de Zamora e porque os Condes Portucalenses(em toda a documentação da época, sempre Teresa foi chamada de rainha), não haviam respeitado a paz estabelecida, procurando quezílias na região de Toronho.Tratou então Afonso VII de vir submeter pela força a sua rebelde tia.

Situa-se por certo nesta ocasião o cerco de Guimarães, que inspirou o episódio central do “feitos” de Egas Moniz. Existem indícios, que o episódio, da “entrega da família” a Afonso VII, para cumprimento da palavra dada, não foi realmente como ainda hoje se conta, como ilustração pedagógica.

Sem comentários: