terça-feira, fevereiro 06, 2007

Cerco a Guimarães(1127)


  • Um facto indiscutível é o de que a defesa de Guimarães, estava entregue ao jovem infante, como se prova pelas doações atribuídas a alguns nobres, por D.Afonso Henriques, como recompensa pelo serviços prestados na altura em defesa do Castelo.

  • Não deve porém confundir-se a importância do papel de D.Afonso Henriques neste cerco, com o do poder no Condado, que nessa data continuava a pertencer a sua mãe.

  • Se a acção de Afonso VII pretendia ser punitiva, contra sua tia desavinda e renitente em aceitar a sua autoridade, pode perguntar-se porque a não atacou em Coimbra, onde ela se havia refugiado ?

  • Não há resposta objectiva, apenas se pode divagar, tentando deduzir-se, que D.Teresa se afasta, para evitar o compromisso frontal e Afonso VII não a ataca porque isso significaria, ter que atravessar todo o condado para um eventual cerco a Coimbra.

  • Um historiador americano B.Reilly, encontrou um documento(em 1998) pelo qual D.Afonso Henriques, confirma 3 importantes diplomas de Afonso VII, em Santiago de Compostela, pouco tempo depois do cerco a Guimarães. O que significa que D.Afonso Henriques, terá acompanhado seu primo até á Galiza, após o cerco, o que leva a concluir, que ele terá cedido ás exigências de seu primo, que retira por completo a imagem, construída sobre o papel de Egas Moniz, aliás descrita por um seu familiar, bastante mais tarde, para enaltecer, por certo, os méritos da sua própria família.

  • As confirmações em documentos emitidos pelos senhores feudais, demonstravam, não só as relações familiares ou de poder partilhado ou não, pelos confirmantes, mas acima de tudo era demonstrativo de ligações de amizade, ou até de vassalagem e que afinal, prestigiavam o próprio rei .

  • A importância deste acontecimento, foi tornar o conflito pela independência do Condado, não só uma questão a ser discutida entre Afonso VII e D.Teresa, envolvendo nessa querela, afinal também a nobreza portucalense que nela havia participado e o infante D.Afonso.

  • Finalmente, a questão da independência do condado voltou a ser adiada, porque Afonso VII acabou por aceitar a vassalagem dada por quem não tinha competência para o fazer.
  • (Na foto imagem de Santiago de Compostela, dos dias de hoje)

Sem comentários: