quarta-feira, fevereiro 14, 2007

Primeiros passos do jovem príncipe

Relação com a nobreza

O papel da nobreza portuguesa está simbolicamente representada num relato da batalha de S.Mamede, inserido na Crónica Galego-Portuguesa, onde se conta que, D.Afonso Henriques derrotado num primeiro embate pelas tropas de Fernão Peres de Trava, foge do campo de batalha.Porém surge Soeiro Mendes, um dos senhores de Ribadouro, que o censura pelo acto, fá-lo regressar ao combate e ajuda-o a vencê-lo.

O verdadeiro significado deste trecho, é o facto de que Afonso Henriques, não teria sido rei se a nobreza portuguesa não lhe tivesse entregue o poder,daí a obrigação subsequente de os recompensar com dons e privilégios.

Note-se que a cena relatada do príncipe a fugir do campo de batalha pode não ser real. é muito provável tratar-se de uma lenda, mas revela a dependência, em que se encontrou os primeiros tempos do seu governo

Relação com o clero

Antes porém das primeiras benesses distribuídas pela nobreza. foi o clero o primeiro a ser contemplado.Como se o jovem governante desde logo se preocupasse em pedir a protecção divina.O principal e mais importante destinatário dessas benesses foi Paio Mendes, arcebispo de Braga, estabelecendo o contra-ponto, face ao apoio de Afonso VII a Compostela.

Obviamente que a importância de Braga não se comparava a Compostela, mas também aquele arcebispado de igual modo aspirava a idênticos sonhos de alargamento de influência

A atitude passiva de Afonso VII

A não reacção de Afonso VII perante o desenlace de S.Mamede , justifica-se muito simplesmente porque não era do seu interesse a unificação entre Galiza e Portugal, com pretensões autonómicas, conforme as aspirações de sua tia aliada aos Travas, reduzindo-se as possibilidades de reconstituição do reino do seu tio-avô Garcia, em segundo lugar terá esperado uma retaliação dos Travas e da nobreza galega essa sim que inexplicavelmente não aconteceu.

Uma outra razão plausível para o afastamento de Afonso VII das consequências da Batalha de S.Mamede é dos preparativos dos seu casamento com Berengária, filha do Conde de Barcelona, que se realizou em Saldaña em Novembro deste mesmo ano.

2 comentários:

louriça disse...

Donde se pode concluir que a tradição de "tachos" e jobs for the boys remonta a esta época.

Luis Maia disse...

Era mesmo só jobbs for the boys, mas ao menos precisavam justificar. Havia muito trabalhinho para fazer, mocada no mouro e no galego.
Não consta que tenha alguma vez despedido um boy, pagando-lhe uma tença choruda e depois o tenha readmitido ao serviço no mesmo castelo. Essa nem o AH fez.